Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

12.06.14

Reacções vagais

Dylan
  O desmaio de Cavaco Silva nas cerimónias do Dia de Portugal é o retrato perfeito do país, à beira da derradeira síncope, numa espécie de Torre de Babel onde ninguém se entende. Cidadãos contra cidadãos - aqueles que livremente se podem manifestar e os outros que acham que uma manifestação tem dias apropriados. Militares amordaçados e ironicamente em sentido perante aqueles que lhes (...)
02.04.13

Os filhos do cavaquismo

Dylan
  Os filhos do cavaquismo não gostaram de ver o ex-primeiro-ministro José Sócrates apontar a dedo os diabretes do Presidente da República. Insurgem-se na televisão, nos blogues, nos jornais e berram para quem os quiser ouvir. Escavacados por escândalos bancários, pelo facilitismo no crédito, pelo "tachismo", pelo maior número de anos consecutivos que estiveram num governo, por sugarem a (...)
25.03.13

Os indignados

Dylan
  Parece que anda muita gente indignada com o regresso de José Sócrates a Portugal, nomeadamente a sua futura participação num programa televisivo. São os mesmos que decidiram votar à direita e que agora se queixam da deterioração das condições de vida proporcionadas por este Governo, são os correligionários de esquerda que inviabilizaram o PEC IV (Programa de Estabilidade e Crescimento) e facultaram a entrada da "troika" em Portugal, são os mesmos que organizam petições (...)
19.12.12

Os dias do fim

Dylan
  Provavelmente no dia 22 de Dezembro já não vão ler estas linhas. O mundo acabou um dia antes, é o fim desta coligação política, quer Cavaco Silva queira ou não, é o fim desta pobreza que consome o país, o fim do desemprego, do constante assalto aos nossos salários em forma de impostos, de diluições. É o fim da inércia do Tribunal Constitucional, da justiça cega e muda, do (...)
18.10.12

O castigo das urnas

Dylan
O resultado das eleições regionais açorianas é um prenúncio para o que se irá passar nas Autárquicas do próximo ano. De facto, se bem que às vezes o desespero dos cidadãos os leva a querer fazer justiça pelas próprias mãos, é nas urnas que se deve castigar este Governo, os políticos e intrujões armados em génios fiscais que prometem muito mas não passam de um bluff recheado de (...)
08.10.12

A Torre de Babel

Dylan
    Não há dúvida de que a bandeira portuguesa hasteada de pernas para o ar nas comemorações oficiais do 5 de Outubro é mesmo o espelho actual do país. É a estapafúrdia abolição de mais um feriado nacional, é a ocupação e capitulação perante a troika, é um pedido de auxílio para quem possa dirigir esta Torre de Babel em que o país se tornou, e que se alastra ao federalismo (...)