Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

24.10.17

O Triunfo dos Porcos

Dylan
Adoro animais e já fiz muitas loucuras por eles mas não posso concordar com a nova lei da entrada de animais de estimação em restaurantes. Isto ultrapassa o bom senso e já parece a fábula de Orwell, "O Triunfo dos Porcos", quando os animais passam a tomar decisões em detrimento dos humanos e onde o "animalismo" triunfa sobre uma uma (...)
20.11.15

Sinais de fumo

Dylan
Cavaco Silva comunicou através de sinais de fumo que ele, como primeiro-ministro de um governo, em 1987, esteve "cinco meses em gestão". A mensagem parece apontar para uma decisão, mesmo quando os seus correligionários (aqueles que suspiram por uma "
28.09.15

Só por masoquismo

Dylan
 Perante as sondagens que colocam este desgoverno pronto a exercer mais quatro anos, recuso-me a aceitar que estes inquiridos representem a população portuguesa. Estes estudos são um insulto a quase meio milhão de pessoas que foram obrigadas a emigrar, aos quase 30% da população em risco de pobreza ou exclusão social, e aos quase 600 mil desempregados, metade desses sem (...)
17.09.15

Vidas asfixiadas

Dylan
É tão conveniente apontarmos uma personagem como José Sócrates para descarregar as nossas frustrações pessoais e políticas. Dizem os justiceiros de taberna que "por ter estado preso é porque roubou", mas deve haver algum equívoco: o único primeiro-ministro que me confiscou metade do subsídio de Natal, através de uma sobretaxa no IRS, em 2011, ainda está em funções. (...)
07.05.15

Hipocrisia fiscal

Dylan
 Depois de baixar salários, aumentar a carga horária e diminuir o período de férias, depois de cortar subsídios de férias e Natal, depois de tentar rescisões por mútuo acordo, de pressionar despedimentos e requalificações no sector, naquilo que ficou conhecido como o maior ataque à Função Pública de que há memória, o Governo, num passe de pura (...)