Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

Glória ao vencedor, honra aos vencidos

GLORIOSO.jpg

 

Acabada a época futebolística em Portugal é hora de glorificar o vencedor e honrar os vencidos. Convém também recordar que  não há memória dum vencedor ter sido tão vilipendiado pelos dois principais rivais chegando ao ponto de estes terem consumado uma aliança. Valeu tudo, primeiro foi a insinuação dos vouchers, como se a UEFA não reconhecesse que as lembranças de cortesia a árbitros são normais, depois a "cartilha", como se os comentadores e adeptos do Benfica fossem os únicos a receber informação do seu clube. Das violação de emails, das inúmeras lesões musculares que afectaram o plantel até ao ataque às claques ilegais do clube, como se as "legais" fossem sinónimo de urbanidade, surge o último estertor - o vídeoárbitro - o instrumento milagroso que iria restituir troféus a dragões e leões ironicamente proporciona o último título da época ao Benfica!     

Hooligans à portuguesa

haters.jpg

 

Alguém disse que o futebol é a coisa mais importante entre as coisas menos importantes das nossas vidas. Infelizmente pouca gente percebe isso, de modo que aconselhava todos os que não percebem a fazerem uma espécie de período de nojo e  reflectirem sobre o que estão a fazer não só ao futebol mas ao desporto em geral. Para esses gabinetes de comunicação que são autênticas madraças de fundamentalismo desportivo, para os presidentes de clubes que denigrem a imagem da sua própria sociedade desportiva, para os profissionais de comunicação social que não despem a camisola, para os chefes de família que vêm descarregar as suas frustrações nas redes sociais, para os desocupados que andam a ameaçar árbitros e para os comentadores televisivos que não são mais do que instigadores de ódio, mudem a vossa conduta ou serão tratados como hooligans à portuguesa e aí as autoridades nacionais terão que chamar as britânicas, habituadas a tratar do holiganismo e a arruaça virtual.

O sósia

cromo.jpeg

 

Liguei a rádio e por momentos pensei que Vale e Azevedo tinha voltado à vida profissional activa, tal era a verborreia, e percebi que era alguém ligado ao futebol pois destilava falsidade e ódio ao clube vizinho. O discurso era arrogante, populista, manipulando o entrevistador e os adeptos do seu emblema. Enjoado de tal piromania, desliguei o aparelho e fui aferir da credibilidade de tão triste figura. Surpreendentemente, tinha tinha sido treinador de crianças em escolas de futebol, mas rapidamente degenerou, pois fez parte de claques de futebol pouco recomendáveis. Actualmente, cria guerras com fundos de investimento, com jogadores, técnicos, sócios, funcionários e comunicação social. Não pude acreditar, tal personagem que se põe em bicos de pés é simplesmente o presidente do Sporting! 

 

 

Os loucos do futebol

iker-casillas.jpg

Causaram uma certa celeuma as declarações de José Mourinho e de outras pessoas sobre os gastos excessivos no recente mercado de transferência de jogadores de futebol, em Portugal. Basicamente foi descoberto um veio de petróleo no eixo Alvalade/Antas, e se outras equipas fizeram o mesmo no passado, fico espantado com o desprezo e o fanatismo a que votaram o outrora "melhor do mundo", como se ele tivesse proferido uma heresia. A pele dos loucos do futebol é muito sensível, facilmente cria irritação e pruridos em pessoas que não enxergam a realidade: passivos brutais, um mercado insustentável dominado por meia dúzia de empresas, pelos mesmos que impulsionaram a construção daqueles elefantes brancos chamados estádios, por ocasião do Euro 2004, que ainda hoje arruínam câmaras e o erário público. 

Irmãos desavindos

cosme.png

Eu sei que nunca serão os tempos de Cosme Damião e Francisco Stromp, dos irmãos que raramente estavam desavindos, eu sei que talvez nunca haverá homens apaziguadores como Borges Coutinho e João Rocha, mas a atitude do actual presidente do Sporting em cortar relações institucionais com o Benfica é triste e tacanha, tudo porque os encarnados não condenaram as atitudes dos seus adeptos, faixas e cânticos insultuosos aquando de jogos entre as duas equipas. Suponho que para este senhor as faixas verdes têm mais bom gosto, os cânticos e as atitudes dos seus adeptos são mais poéticos e elegantes, isto para alguém que recentemente mostrou a sua classe ao considerar o futebol português como  um "ânus mal cheiroso", que esteve por um triz de despedir o treinador através de uma inédita "justa causa" e que interpôs acções judiciais contra a antiga administração do clube. Persiga-se os hooligans, todos aqueles que destroem o desporto, de norte a sul do país, e outros que vêem de forma encapotada cultivando a semente do ódio.

 

Ricos e vaidosos

 

A Seleção nacional veio embora do Brasil para desespero das "ronaldetes" da nossa praça. Para aqueles que repararam no mau planeamento do Mundial, nos locais de estágio, nos convocados, num grupo envelhecido, com naturalizados por interesse, de vedetas com protuberâncias pilosas e de estranhos penteados, só podia dar nisto. Junte-se a isso uma Federação burguesa, acomodada, alimentada por ricos patrocinadores, uma comunicação social histérica e empresários de futebol interesseiros que minam o trabalho do treinador. Perguntem ao jogador vaidoso - pois um dia disseram-lhe que "era o melhor do mundo" e desde aí o seu ego inchou para o tamanho deste planeta -, a razão deste fracasso. 

Tripleto

 

Podiam ter sido quatro títulos mas foram "apenas" três, ainda assim, e parafraseando um grande benfiquista, "é bem melhor do que falecer". O Benfica foi das equipas que mais jogos efectuou no velho continente, entre lesões, castigos, erros de arbitragem que o puseram a jogar com dez, e apesar da trágica morte de dois dos seus símbolos, sobreviveu e triunfou. Há clubes assim, gigantescos, maiores do que o próprio país e que não sentem a erosão dos tempos nem a maldizente inveja pois têm os melhores adeptos do mundo. O tripleto: da união, da reciclagem de um treinador e da obstinação de um presidente.

Caçadores de fantasmas

 

Os caçadores de fantasmas e almas penadas expurgaram a Luz, afinal era apenas um espírito benigno que assombrava o Benfica. O campeão voltou, anunciando com estrondo as suas conquistas: campeonato, Taça da Liga e tudo o que o futuro quiser. Bastaram onze Eusébios, unidos, para resgatar os títulos perdidos, para a mística sobrepor-se a todos os fenómenos paranormais do futebol português e calar os videntes da desgraça.

Tingidos de vermelho

 

Num sorriso celestial de Eusébio e Coluna, a nação tingiu-se de vermelho, tantos foram aqueles que saíram à rua. A confirmação do óbvio: o Benfica já é muito maior do que o próprio país e extravasa os festejos dos títulos além fronteiras. Inteiramente merecido, para um presidente que manteve a confiança cega num contestado treinador, para um grupo de trabalho unido e de qualidade, para os milhões de adeptos que festejam como se não houvesse amanhã, como se ganhassem 3 ou 4 campeonatos seguidos, pois sabem que o Benfica não tem a chave daquele supermercado onde se compram títulos.

Jesus, o pecador

 

É rude, por vezes arrogante e cheio de bazófia, mas é um dos melhores treinadores portugueses de sempre. E se em Inglaterra teve uma atitude menos feliz com o técnico adversário espetando-lhe três dedos, Jesus, o pecador, alegra estes dias de incerteza de um país falido através das suas atitudes desbragadas. Por este Jesus ninguém sente compaixão, ninguém admite que classe também é fazer rir toda a gente, porque o Jorge nasceu na Amadora, não em Setúbal, nem tampouco tem o apelido de "Mourinho" em que tudo lhe é permitido e concedido.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D