Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

Foi chão que deu uvas

uvas

Não devo ser o único a achar que a política já "foi chão que deu uvas". Atente-se no exemplo do PSD: Alberto João Jardim dedica-se agora à representação num filme onde interpreta o papel de um "pastor visionário", só não sei como ele não consegui antecipar o valor astronómico da divida da Madeira. No continente, um presidente de uma concelhia da Juventude Social Democrata decidiu participar num "reality show", arrastando a política para um palco de "voyeurismo" saloio, e à última da hora, Passos Coelho deixou cair a sua nova função de apresentador e promotor livreiro para se dedicar aquilo em que é mesmo bom: caçar "pokémons"!

Ai aguenta, aguenta!

mariana.jpg

A palavra "imposto" nunca será agradável, mas bastou Mariana Mortágua falar em taxar bens imóveis de luxo que afectaria apenas 1% da população, para termos reacções inflamadas de presidentes da câmara, adjuntos, pedantes e parte da direita ressabiada. É só despirmo-nos de preconceitos ideológicos e políticos e ler o relatório da OCDE que diz que somos o país em que mais aumentou a carga fiscal para os trabalhadores com baixos rendimentos, em 2015. Não se trata de inveja, mas já era hora dos trabalhadores de altos rendimentos serem chamados às suas responsabilidades contributivas - como diria o outro, "ai aguenta, aguenta" - em nome de uma maior igualdade e justiça social, contra aqueles que põem o seu património em paraísos fiscais, ou acham que é preferível cortar salários e pensões de todos os outros?

O Rambo que há em nós

rambo.jpg

 

 

Num país tão pequeno, não vejo razões para haver quatro forças especiais em Portugal, nem percebo o regresso de um regimento de comandos que esteve extinto durante quase uma década e que provocou vários acidentes e mortes. Não censuro aqueles que querem libertar o Rambo que há em nós, os heróis de ficção que nunca morrem, não condeno quem acha que tem uma missão patriótica, a ambição de uma carreira militar, mas é profundamente injusto que isso seja o salvo-conduto para a sua morte só porque alguém decide transformar-se em anti-herói, o macho autoritário que anda a ver demasiados filmes de guerra mas esconde-se nas trincheiras militares. 

Desespero no jornalismo

centro_emprego.jpg

 

Foi notícia uma jornalista ter invadido um Centro de Emprego, no Porto, ter provocado desacatos e ameaçado funcionários porque está desempregada há três anos e a passar dificuldades económicas. Ironicamente, foi a imprensa do grupo de media ao qual pertencia a jornalista que divulgou a notícia, com um histórico de três miseráveis despedimentos colectivos em 6 anos. Esta loucura e desespero não recupera o posto de trabalho, mas que pelo menos sirva para alertar a  precariedade e a desmotivação que se tornou a profissão de jornalista, desde o desemprego aos baixos salários, péssimas condições de trabalho, mão de obra barata ou estagiária, redacções amordaçadas por administradores incompetentes e pagos a peso de ouro.

 

 

Striptease fiscal

espiaoAbin.jpg

 

 

Pensei que o "striptease" fiscal proposto no passado a Passos Coelho por António José Seguro fosse único, afinal, enganei-me, o actual Governo quer que o fisco tenha informações anuais sobre contas que os portugueses tenham nos bancos, quando o saldo  é superior a 50 mil euros. É meritório combater a evasão fiscal, mas neste espectáculo de desnudamento  que também se verifica no E-Factura, e sem querer discorrer sobre possíveis violações de sigilo bancário e da protecção de dados, eu pergunto quem é o português que consegue ter 50 mil euros no banco depois das dificuldades que temos passado nos últimos anos?!

 

Uberização

uber.jpg

A coberto da "concorrência desleal", da suposta "ilegalização em transportar passageiros em automóveis ligeiros descaracterizados", sucedem-se os cobardes ataques perpetrados contra os motoristas da Uber. Mas agora que o governo vai regulamentar as novas plataformas digitais de transporte, já não vai haver razões para estas reacções violentas de taxistas portugueses, a não ser que as verdadeiras motivações destes seja não suportarem a concorrência, não se adaptarem aos novos modelos de negócio e verem o seu feudo lobista, o proteccionismo que sempre gozaram, ameaçados pela "uberização".

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D