Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

DYLAN´S WORLD

"Fui à floresta viver de livre vontade, para sugar o tutano da vida. Aniquilar tudo o que não era vida. Para, quando morrer, não descobrir que não vivi". (Henry David Thoreau)

Lembrar Abril

 

Nesta altura do ano surgem sempre os detractores da Revolução de Abril - uma espécie de saudosistas do Estado Novo - pois "antigamente é que era bom", dizem eles. Como se 40 anos de obscurantismo não tivessem atrasado irremediavelmente o País e a Pide fosse uma qualquer organização sócio-cultural! Esta nostalgia serôdia dá náuseas e piora quando falam com desdém do "excesso de liberdade" e da democracia.

 

Mas será que esta gente não se lembra do que acontecia no tempo do pseudo-estadista? A colagem ao fascismo, as repressões políticas e públicas com a vergonhosa conivência da igreja católica, a censura literária, a educação baseada num nacionalismo bafiento, da interminável Guerra do Ultramar e do obsessivo colonialismo.
 

Actualmente parece que entramos num processo de regressão pois inauguram-se ruelas com nomes de ditadores existindo também regiões do País que ignoram a data. Convém explicar às gerações futuras que a História não pode voltar a repetir-se e que a morte de homens como Humberto Delgado não pode ter sido em vão.
 

O artista do barro

A morte do artesão José Franco, criador das miniaturas da aldeia saloia de Sobreiro, foi uma grande perda para a olaria, cerâmica e escultura portuguesa. O mestre teve uma infância difícil e um fim de vida indigno para o enorme talento, qualidades humanas e reconhecimento internacional que granjeava. Dedicou vários anos da sua vida à arte e à sua pequena aldeia, menina dos seus olhos. Mesmo assim quiseram afastá-lo e negar-lhe o desejo de criar uma fundação que o seu maravilhoso património exigia. Não realizou o sonho de abrir uma escola de formação para a juventude mas imortalizou eternamente  o  nome do país. Nas palavras do escritor brasileiro Jorge Amado, “um português que nasceu com o dom misterioso da beleza e a distribui como um bem de todos”.

No mundo actual, onde o egoísmo e o materialismo imperam, o artista deu uma extraordinária lição de vida à sociedade e porque não dizer à sua família.

Jornalismo decadente

A eliminação do FCP da Liga dos Campeões às mãos do Manchester foi uma situação perfeitamente normal apesar da boa réplica dos portistas. A anormalidade foi o comportamento de jornalistas e comentadores da estação televisiva pública que transmitiu os dois jogos. Sob a capa de um pretenso patriotismo, relataram os jogos com uma parcialidade gritante misturada com laivos de histeria e sofrimento. Com uma arrogância desmedida quiseram condicionar o desfecho do último jogo pois já levavam no bolso o cachecol da praxe. Inveja, dizem os seus apoiantes, falta de ética profissional dizem outros.

 

Torna-se mais grave quando isto acontece numa entidade pública que absorve os nossos impostos. Se querem funções que não colidam com a sua integridade profissional entreguem as carteiras profissionais como alguns fizeram no passado e sigam novo rumo nas suas vidas.

O logro

A decisão do Tribunal de Gaia, no "caso do envelope", não proclamou vitória de ninguém. O encontro de um presidente dum clube com um árbitro foi catalogado pela juíza como suspeito e imprudente, mas em caso de dúvida beneficia-se o réu. Poder-se-á dizer que a justiça actual não cumpriu o seu principal mandamento: igualdade de todos os cidadãos perante a lei, ou seja, existem testemunhas mais credíveis do que outras pois o impoluto político ou dirigente desportivo vive num patamar de moralidade social superior!
 

Juntando uma pitada de incompetência do Ministério Público à mediatização instrumentalizada, temos uma falácia perfeita. O pior é quando o poder judicial é desacreditado na opinião pública, pois essa há muito tempo que fez o seu julgamento e está farta de acreditar em conspirações orquestradas.
 

Sofrimento em Darfur

O mandado de captura do Tribunal Penal  Internacional  contra o presidente do Sudão, culpabilizado pelo genocídio na região do Darfur,  foi desprezado pela Liga Árabe. Quase meio milhão de pessoas foram assassinadas ou morreram devido à guerra e doenças. Mais de dois milhões e meio tornaram-se refugiados, destruíram-se centenas de aldeias e cometeram-se hediondos crimes contra a humanidade. Não percebo o silêncio ensurdecedor de parte dos países vizinhos e muito menos o vergonhoso papel da China como voraz consumidor de petróleo desse país e principal fornecedor de armamento. Caciques que se perpetuam no poder sob o falso pretexto da ameaça do novo colonialismo acendendo o rastilho do conflito étnico-cultural.  Esquecem-se eles que,  da forma menos ortodoxa como chegaram ao poder, mais tarde ou mais cedo  vai-lhes acontecer o mesmo pois existe sempre um ditador pior do que outro.  E África continua a ser o eterno oprimido…

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D